» Convenções Internacionais » Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes (POPs) » Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes (POPs)

Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes (POPs)

Ao longo dos anos, a poluição ambiental de forma geral e a poluição causada pela utilização de produtos químicos na natureza, têm assumido proporções alarmantes com consequências desastrosas para o futuro do desenvolvimento sócio económico da humanidade.

Os Poluentes Orgânicos Persistentes, com o principal destaque para os PCB, Dioxinas e Furraneos, e os Pesticidas POPs, têm ocupado um lugar importante na área de poluição química com graves consequência para a saúde da população e para a atmosfera.

A República Democrática de S.Tomé e Príncipe assim como muitos outros países do Globo, também utilizou os Pesticidas- POPs, na luta contra os vectores causadores de doenças, com particular incidência sobre os mosquitos que transmitem o paludismo.

Conscientes hoje, dos danos que os referidos produtos causam ao ambiente, as autoridades nacionais decidiram unir os seus esforços, aos da comunidade internacional, no sentido de dar um tratamento adequado aos referidos poluentes, de modo a minimizar os efeitos negativos sobre a natureza.

É assim, que após a assinatura em 3 de Abril de 2002 da Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, S.Tomé e Príncipe iniciou a aplicação do artigo 7 da mesma, que consistiu em elaborar a Estratégia e o Plano de Acção com vista à gestão sustentável dos referidos produtos no território nacional.

Necessário se torna salientar também que paralelamente a elaboração da Estratégia e do Plano de Acção, as autoridades nacionais ratificaram a referida convenção.

Com a elaboração da Estratégia e do Plano de Acção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, estamos conscientes de que a comunidade internacional irá ajudar S.Tomé e Príncipe a implementar as acções prioritárias definidas no referido Plano, o que irá conduzir para a gestão sustentável dos produtos químicos no país, e contribuir para um ambiente mais saudável.

Não gostaria de terminar, sem antes agradecer muito sinceramente às instituições internacionais que ajudaram S.Tomé e Príncipe a elaborar a sua Estratégia e Plano de Acção para a Gestão Sustentável de Poluentes Orgânicos Persistentes, nomeadamente, o Fundo Mundial de Ambiente- GEF, a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial- ONUDI, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento- PNUD e o Instituto das Nações Unidas para a Formação e Investigação- UNITAR.

| Planta do sítio Web | Sobre ... |
fluxo rss